• Dra. Maithê

Síndrome metabólica dobra o risco de infarto e triplica o de AVC

Causas variam entre fatores genéticos, obesidade e sedentarismo.

A perda de peso, em especial, pode normalizar a pressão sanguínea e os níveis de colesterol e triglicerídeos

A Síndrome Metabólica, que atinge 25% das pessoas no Brasil, engloba um conjunto de fatores, sinais e sintomas que acaba por dobrar o risco de infarto e triplicar as chances de AVC. Ela se caracteriza pela presença de pelo menos 3 dos seguintes fatores:

1) Aumento da gordura abdominal, a ponto da circunferência da cintura chegar a um mínimo de 102 cm nos homens e 88 cm nas mulheres.


2) Nível baixo de HDL, o colesterol bom, atingindo marcas iguais ou menores que 40 mg/dl nos homens e 50 mg/dl nas mulheres.


3) Aumento dos triglicérides, alcançando marcas iguais ou superiores a 150mg/dl.


4) Pressão sanguínea acima de 135/85 mmHg.


5) Glicemia em nível igual ou superior a 110mg/dl.

Causas, diagnóstico e tratamento

As causas que contribuem para o aparecimento da síndrome em geral variam entre fatores genéticos, obesidade e sedentarismo.

A obesidade, em particular, demanda especial atenção porque, entre outras consequências, pode levar à resistência insulínica. Nesse tipo de quadro, o organismo passa a requisitar maiores quantidades de insulina para manter a glicose em níveis normais, sobrecarregando o pâncreas. Esse desequilíbrio, denominado pré-diabetes, se não for tratado pode se transformar em diabetes tipo 2.

Para diagnosticar a Síndrome Metabólica é necessário o exame clínico do paciente, quando são aferidas a medida da cintura e a pressão arterial. Além disso, devem ser realizados exames de sangue para verificar os níveis de glicemia, insulina, colesterol e triglicérides.

O tratamento desta síndrome é feito principalmente através de mudanças no estilo de vida, tais como a adoção de atividade física regular e dieta saudável. Além disso, pode ser recomendado o uso de medicamentos para cada uma das doenças envolvidas.

Ao longo do tratamento, a perda de peso, em especial, pode normalizar a pressão sanguínea, levar o colesterol e os triglicerídeos para níveis aceitáveis e até mesmo , em alguns casos , dispensar o uso de remédios.











Mitos e Verdades

Problemas hormonais podem piorar a Síndrome Metabólica

Verdade – Na síndrome metabólica é muito importante aferir os problemas hormonais. A Sindrome de Cushing, por exemplo, eleva o cortisol que, por sua vez, provoca o aumento do diabetes, hipertensão, gordura da barriga e estrias. Existem ainda doenças genéticas que elevam o colesterol, entre outros vários casos. Uma vez detectada a causa, basta atuar diretamente neste fator com remédios ou cirurgia, além de dieta e exercícios.

Musculação é o exercício que mais faz perder a gordura do corpo

Mito – O exercício de musculação, anaeróbico, é muito importante para ganhar massa magra, que vai acelerar o metabolismo final em quase 30%. A pessoa que atingiu um peso ideal tem que ganhar massa magra, para que o corpo trabalhe mais rápido, Só que para a perda de peso e perda de gordura, os estudos mostram que é recomendado 70% de exercício aeróbico e 30% de musculação.

Gordura dura na barriga é pior que gordura flácida

Verdade – Existe a gordura que incomoda do ponto de vista estético e existe a gordura visceral que esta relacionada com maior risco cardiovascular. Quando a gordura da barriga é molinha, geralmente é menos visceral. Mas quando for dura, sabe-se que a gordura está acumulada nos órgãos internos, configurando o maior problema da síndrome metabólica.






Perguntas do público

1 – Já enfartei em 2015 e desde então tenho mantido meu peso. Porém, minha barriga aumentou após a menopausa e depois que parei de fumar. Tenho o risco de enfartar novamente?

Com certeza a menopausa é outro fator que aumenta a gordura visceral, mas tem como fazer reposição hormonal nos casos recomendados e tem também como contrabalancear isso. Parar de fumar diminui o risco de hipertensão, infarto e síndrome metabólica, mas pode causar ansiedade. Por isso, muitos que param de fumar ficam mais beliscadores. É o que se chama de fome emocional, Por outro lado, as pessoas que já enfartaram tem o risco de duas a três vezes maior de enfartar novamente, em relação às pessoas que não passaram por este problema.

2 – Quais são as pessoas que correm maior risco de desenvolver a síndrome metabólica? Como saber se tenho a doença?

Os pacientes que têm diabéticos, hipertensos e casos de gordura visceral na família têm 55% de chance a mais de desenvolver a doença. Pacientes fumantes são os que apresentam mais predisposição, bem como as pessoas do tipo brevilíneo, com tronco mais curto.

45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Clínica Dra. Maithê P. Tomarchio
Rua Maestro Cardim, 407, Conjunto 608 - Bela Vista - São Paulo - SP
Telefones: (11) 3283-1333 / (11) 2495-6172
Desenvolvimento: