• Dra. Maithê

Osteoporose afeta cerca de 70% das mulheres após a menopausa

Por isso, é importante o acompanhamento anual a partir de 45 anos de idade.


A osteoporose muitas vezes só é descoberta após a ocorrência de fraturas ósseas incapacitantes

A osteoporose é uma doença que torna os ossos porosos, tornando-os cada vez mais frágeis e suscetíveis a fraturas. Atinge 200 milhões de mulheres no mundo, de acordo com a Fundação Internacional da Osteoporose (IOF). No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, 10 milhões de brasileiros são afetados pela doença.

Por ser assintomática e sorrateira, a osteoporose nem sempre é diagnosticada a tempo e muitas vezes só é descoberta após a ocorrência de fraturas ósseas incapacitantes e que prejudicam a qualidade de vida.

A maior incidência da doença é em mulheres após a menopausa, por causa da queda na produção do hormônio estrógeno, que ajuda a fixar o cálcio nos ossos.

Cerca de 70% das mulheres na menopausa vão desenvolver osteoporose se não fizerem tratamento. Por isso, é importante que todas façam um acompanhamento anual com densitometria óssea para avaliar o perfil, após completarem 45 anos de idade.

Nos homens a ocorrência da doença é mais baixa. De cada 4 homens, 1 pode ter osteoporose depois dos 50 anos de idade.

O exame de densitometria apresenta um gráfico de avaliação que é dividido por cores. A cor verde indica exame normal, a amarela aponta osteopenia e a vermelha revela osteoporose.

Se o paciente estiver com osteopenia, recomenda-se o tratamento com reposição de cálcio e vitamina D, além de exercícios e alimentação para que o quadro não evolua para osteoporose.

Quando a osteoporose já esta instalada, associa-se tratamento medicamentoso. Existem várias opções modernas hoje em dia.











Mitos e verdades

1. A falta de hormônios femininos pode provocar osteoporose.

Verdade. É a maior causa. Na menopausa, o ovário perde a função de produzir estrógenos - os hormônios que puxam o cálcio para dentro do osso. Se não tem mais estrógeno, o osso fica poroso.

Isso é importante dizer por que, em geral, as mulheres ficam na dúvida se fazem ou não reposição hormonal: tratar a menopausa vai muito além de reduzir sintomas como fogacho e falta de libido, pois, nessa fase, também aumentam os riscos de doenças cardiovasculares, esteatose hepática e osteoporose.

2. Existem remédios que provocam a osteoporose.

Verdade. Por isso ela tende a estar mais presente entre os que usam corticoterapia em função de asma, lúpus ou imunodepressão. Os anticonvulsivantes também podem provocar osteoporose. Além disso, algumas doenças podem contribuir com o enfraquecimento dos ossos, como a Síndrome de Cushing, que produz cortisol em excesso. Outras causas importantes são o hipertireoidismo e hiperparatireoidismo - que afeta as 4 glândulas acopladas na tireoide alterando o metabolismo ósseo.

3. A genética pode influenciar no surgimento da osteoporose.

Verdade. A osteoporose é uma doença de caráter hereditário e afeta com mais intensidade as mulheres magras, baixas e de pele clara, além das orientais.

4. Pacientes com osteoporose não podem praticar exercícios físicos.

Mito. Pelo contrário. Os pacientes com osteoporose devem praticar atividade física como musculação, alongamento e pilates. Já está comprovado cientificamente que o exercício de resistência faz um atrito que promove remodelação óssea.

Para o tratamento da osteopenia e osteoporose, aconselha-se também o banho de sol, de 20 a 30 minutos por dia. Os melhores horários são das 8 às 10 da manhã e das 14 às 16 horas, sem protetor solar.

A alimentação, por sua vez, deve ser rica em cálcio. Recomenda-se o consumo de 3 porções de laticínios por dia, sendo 1 copo de leite ou uma fatia de queijo branco ou 1 iogurte. Quem tem intolerância à lactose pode recorrer às verduras escuras, que são ricas em cálcio e gergelim. Uma colher de gergelim na salada equivale a 500 mg de cálcio do leite. Deve-se também evitar álcool e tabagismo.






Perguntas do público

1. Aumentar o consumo de leite e derivados ajuda a tratar a osteoporose ou são necessários medicamentos específicos?

Em caso de osteopenia, o leite e os derivados fornecem o cálcio necessário. A vitamina D também é importante porque vai ajudar a fixar o cálcio no osso. No entanto, quando a osteoporose já está instalada, é necessário o uso de remédios específicos que ajudam a fixar o cálcio.

Quem tem osteoporose não pode achar que só se faz tratamento com laticínios. Existem vários tratamentos hoje em dia. Os bifosfonados são os mais utilizados na forma de comprimidos ou injetáveis e basta uma dose por semana ou até mensal.

Os imunológicos, do tipo denozumabe, constituem uma nova classe de tratamento para osteoporose que não apresenta contraindicações e não faz mal aos rins. Mas é um tratamento que deve ser feito em conjunto com exercícios, cálcio, vitamina D e remédios.

2- Tenho osteoporose e uso alendronato há 5 anos. É assim mesmo? Demora para melhorar?

Esse é o medicamento mais usado. Só é preciso tomar cuidado porque tem de ingerir o remédio e, em seguida, não ficar sentado ou deitado. Pelo contrário, é necessário ficar cerca de 4 horas em pé, a fim de que o remédio desça rapidamente, diminuindo o risco de causar úlcera no estômago. O tratamento da osteoporose é demorado, chega a ser de 5 a 10 anos. Então não é aconselhável interromper. O risco de fratura aumenta muito em pacientes que descontinuam o tratamento.

3 – É verdade que tomar antiácido para tratar azia pode desencadear a osteoporose?

Isso foi muito discutido na mídia há dois anos: se os inibidores de bomba de potássio, que são remédios para gastrite, poderiam piorar a absorção do cálcio. Isso realmente é verdade. Mas quem tem indicação e precisa tomar esses inibidores podem recorrer a outros medicamentos. Então, tem solução. É importante também não tomar continuamente qualquer tipo de remédio sem falar com seu médico, porque o horário que você toma e a interação com outros medicamentos podem fazer a diferença para que o tratamento dê certo.

4 – Tenho 35 anos e fui diagnosticada com osteoporose. Há mulheres jovens que podem apresentar o problema?

Verdade. A maior incidência é para mulheres na menopausa, mas pode sim ocorrer em mulheres jovens por vários fatores: Síndrome de Cushing, hipertireoidismo, hiperparatireoidismo, síndrome do colo irritável e intolerâncias alimentares. Existem ainda remédios que podem causar a doença, além de herança genética. Alguns problemas de rim também podem provocar osteoporose. Cada caso deve ser investigado, pois existe tratamento.

39 visualizações
Clínica Dra. Maithê P. Tomarchio
Rua Maestro Cardim, 407, Conjunto 608 - Bela Vista - São Paulo - SP
Telefones: (11) 3283-1333 / (11) 2495-6172
Desenvolvimento: