• Dra. Maithê

Nódulos na tireoide atingem mais da metade da população

Atualizado: Jul 30

Convém tomar cuidado, pois determinados alimentos podem fazer com que eles cresçam.


A tireoide regula as funções de vários órgãos como coração, cérebro, fígado e rins

O aparecimento de nódulos na tireoide é comum na população em geral.

Estima-se que essa patologia atinja algo entre 50% e 60% das pessoas.

Embora alguns tipos sejam preocupantes por serem cancerígenos, 90% dos nódulos de tireoide são benignos.

Entretanto, é fundamental diagnosticá-los para que seja estabelecida a conduta médica mais adequada, entre acompanhamento, tratamento ou cirurgia.

A tireoide

A tireoide é uma glândula em formato de escudo que também lembra as asas de uma borboleta.

Localizada na parte frontal do pescoço, ela produz hormônios que regulam o metabolismo corporal, bem como as funções de vários órgãos como coração, cérebro, fígado e rins.

Estes hormônios são chamados de T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Quando a glândula não funciona direito pode ocorrer o hipotireoidismo (carência de hormônios) ou hipertireoidismo (excesso de hormônios).

Além disso, a tireoide pode apresentar nódulos que não têm relação com suas funções, pois são causados por alterações da própria glândula, fatores genéticos ou patologias como como Tireoidite de Hashimoto (pseudonodulos).

Check-up

Por ser muito comum na população, é importante incluir no check-up anual um exame de ultrassom da tireoide para investigar a existência de nódulos.

Quando o nódulo é diagnosticado, o passo seguinte é verificar se é benigno ou maligno. Nesse caso, o exame padrão ouro é a Punção Aspirativa por Agulha Fina, em que o médico utiliza o ultrassom para guiar a retirada de uma pequena amostra do nódulo para, em seguida, encaminha-la para a citologia.

Como na maioria dos casos os nódulos são benignos, em geral é necessário apenas fazer um acompanhamento a cada seis meses e a cada ano. Nesses pacientes, a cirurgia é indicada apenas quando o crescimento do nódulo sugere que poderá haver ameaça aos processos de engolir e respirar.

Nódulos malignos

Os nódulos malignos, por outro lado, são sempre encaminhados para cirurgia de remoção e, dependendo do caso, para tratamentos com iodoterapia, radioterapia, quimioterapia ou terapia alvo.

Esses nódulos podem ser classificados em 4 tipos:

  • Papilíferos

Ocorrem em 90% dos casos e dificilmente provocam metástases. Eles crescem devagar e podem se espalhar para os gânglios linfáticos no pescoço. Mas raramente atingem pulmões e ossos. Essa forma de tumor acomete mais mulheres do que homens. Em geral, a recomendação é pela cirurgia de remoção, sem necessidade de iodoterapia.

  • Nódulo folicular

É o segundo tipo de maior incidência (cerca de 10% a 15% dos casos). Afeta as mulheres duas vezes mais do que os homens. Raramente atinge os linfonodos, mas pode atingir os pulmões ou ossos.

  • Nódulo medular

Tem menor incidência e ocorre em cerca de 5% dos casos. Esse tipo de câncer é genético e, por esse motivo, a sua detecção torna necessária a avaliação das demais pessoas da família.

  • Câncer anaplásico

É o mais grave, mas é raro, pois atinge até 2% dos casos, somente. Acomete mais homens do que mulheres e, em sua maioria, pessoas com mais de 65 anos de idade. Pode reincidir após o tratamento e as chances de sobrevivência por mais de 12 meses é baixa.




Perguntas do público

1 – Minha mãe e minha avó tiveram câncer de tireoide. Isso pode ser hereditário?

Somente o câncer de tireoide do tipo medular tem envolvimento genético. Por isso, é necessário verificar. Quando existe esse tipo de ocorrência, todos os membros da família precisam ser também investigados. Às vezes, convém retirar a glândula da criança antes dos 5 anos de idade ou mesmo antes dos 6 meses de idade.

2 – É verdade que comer muito sal provoca aumento e nódulos na tireoide?

Sim, o sal iodado pode alterar a função da glândula tanto para hipo quanto para hipertireoidismo. Pode ainda aumentar o tamanho da tireoide.

3- A alimentação pode estar associada com o surgimento dos nódulos?

Sim. Entre os principais estão o nabo, couve e soja.

A couve, por exemplo, não deve ser consumida por mais de duas vezes por semana por que tem tendência para a produção de nódulos.

Já a soja contém antinutrientes que prejudicam a absorção de minerais importantes para a tireoide, além de apresentar substâncias que podem perturbar o funcionamento da glândula. Assim, convém prestar atenção, pois a soja está presente em grande parte dos alimentos industrializados: barras de cereais, chocolates, carne para hambúrguer, etc.

Por outro lado, alimentos crus como repolho, brócolis e espinafre também podem interferir de modo negativo na produção de hormônios da tireoide.

4- Meu médico falou que eu tenho um nódulo de tireoide tóxico? O que é isso?

O chamado nódulo tóxico é um nódulo produtor dos hormônios T3 e T4. Esta condição pode provocar um hipertireoidismo mais grave. É um caso em que se recomenda cirurgia.

5– Há 4 meses tenho um pedido médico para fazer uma punção na tireoide por causa de um nódulo, mas ainda não tive coragem. Haveria outra forma de verificar se é benigno ou maligno?

Em caso de suspeita de câncer, é preciso fazer a punção ou ir direto para a cirurgia. Nesse caso, é melhor fazer a punção, que é o padrão ouro para se fazer o diagnóstico final. Não há por que temer, pois o procedimento é simples e rápido de ser feito.

0 visualização