• Dra. Maithê

Como o obeso pode elevar sua imunidade

O que fazer para aumentar a resistência do organismo frente ao coronavírus.


Na quarentena, é fundamental que os obesos continuem com as recomendações de alimentação e atividade física

Neste período de quarentena, muitas pessoas estão preocupadas com a obesidade.


Algumas porque passaram a beliscar mais, tendo em vista que raramente saem de casa. Outras porque já não sabem como prosseguir com o tratamento para perder peso, uma vez que suas rotinas foram transformadas. Todas elas, entretanto, querem saber: a obesidade pode agravar um eventual quadro de infecção por coronavírus?

A resposta, infelizmente, é sim. Para reforçar esta visão, podemos considerar uma pesquisa feita no Reino Unido com um grupo de pessoas em tratamento na UTI por estarem com os sintomas mais graves da nova gripe. O levantamento deu conta que 70% desses pacientes estavam obesos.

A explicação para isso seria o fato de que a obesidade reduz a imunidade e sobrecarrega todos os órgãos do corpo, incluindo o pulmão.

A baixa da imunidade ocorre porque as células de gordura estão sempre produzindo inflamações no corpo, ativando as defesas do organismo.

Em função desse desequilíbrio, o corpo passa a oferecer menor resistência às agressões de inimigos como o coronavírus.

Por esses e outros motivos, é fundamental que, durante a quarentena, os obesos continuem com o tratamento medicamentoso e com as recomendações de alimentação e atividade física.

Assim, ao reduzir o peso, as ocorrências de inflamação vão diminuir, melhorando a imunidade e ainda minimizando o risco de diabetes e hipertensão arterial.

Há que se destacar que agora não é o momento de fazer dietas restritivas, como jejum intermitente. O fortalecimento do sistema imune deve ser buscado com base no consumo de proteínas, legumes, verduras e frutas na quantidade correta e nas ocasiões indicadas.


Perguntas do público

1 - Fiz cirurgia bariátrica há um ano e cheguei a eliminar 50 quilos. Mas, ao longo da quarentena, percebi que quero beliscar a toda hora. O que posso fazer para manter o peso e não engordar?

É possível aumentar a saciedade e evitar os beliscos ao priorizar o consumo de proteínas, além de muitas fibras.

Desta forma, não será preciso, por exemplo, deixar de satisfazer o desejo por um doce e sim optar por um pedaço menor.

Com relação à cirurgia bariátrica, é preciso tomar cuidado, pois só 20% dos pacientes que passam pelo procedimento conseguem manter o peso reduzido após emagrecer.

Aliás, esses pacientes precisam manter o acompanhamento médico por diferentes razões:

Necessitam ingerir mais vitaminas, já que a absorção intestinal fica reduzida após a cirurgia.

Pode haver a necessidade de tratamento para diminuir a ansiedade, pois 40% dos pacientes que se livram da compulsão alimentar acabam desenvolvendo obsessão por bebidas alcoólicas, compras e outras.

É possível que haja aumento de peso após a cirurgia por influência de fatores genéticos, dentro de um processo que pode ser evitado com o auxílio de medicamentos.

2 – Como acelerar o metabolismo em tempos de quarentena?

Acelerar o metabolismo é difícil, mas existem alguns recursos. Um deles é a atividade física. Nesse caso, o truque é manter uma rotina de exercícios funcionais e não parar. Essa constância vai aumentar os hormônios do bem e fará com que a pessoa tenha prazer nos exercícios.

Outra técnica é evitar carboidratos, frutas ou doces à noite, antes de dormir, pois este é o horário em que o metabolismo cai.

Outro fator é a qualidade do sono, que equilibra os níveis de vários hormônios e favorece a redução do peso.

Existem também remédios que podem ser usados, além de alimentos como pimenta, gengibre, chá verde e outros.

3 – Meu pai faz tratamento para obesidade e tem diabetes. Mas entrou em um estado depressivo e às vezes não toma os remédios, já que está em casa sozinho nesta quarentena. Como podemos ajudá-lo?

É uma questão complexa, sobretudo porque, se ele não tomar insulina, a glicemia aumentará, baixando a imunidade.

Este comportamento pode estar relacionado com o fato de que a resistência insulínica reduz vários hormônios, tal como a dopamina, que estimula a pessoa a tomar atitudes como, por exemplo, ingerir remédios com regularidade.

Outro importante hormônio que passa a ser produzido em níveis mais baixos é a serotonina, que está relacionado com o prazer. Isso pode explicar o estado de depressão ou pré-depressão. Esse quadro pode ser evitado com medicamentos ou por momentos prazerosos tais como boa leitura, comida saborosa, brincadeiras com o bichinho de estimação, etc.

0 visualização